“O culminar de um longo percurso”

Hoje apresentamos Pedro Beja, coordenador científico do projeto:

Foto_PB2“Sou desde 2008 investigador no CIBIO, onde sou membro da direção, responsável pelo grupo de investigação em Ecologia Aplicada de Populações e Comunidades (http://maerua.iict.pt/applecol/) e detentor desde 2012 da Cátedra EDP Biodiversidade e membro. Antes disso tive um percurso profissional variado: concluí o doutoramento em 1995 na Universidade de Aberdeen, e depois fui técnico do Instituto da Conservação da Natureza (1996-1998), Professor Auxiliar convidado na Universidade do Algarve (1998-2001), e consultor de ambiente na empresa ERENA – Ordenamento e Gestão de Recursos Naturais (2001-2008). Especializei-me em termos de investigação na biologia da conservação e na modelação do habitat e distribuições em paisagens dominadas pelo Homem.  O meu trabalho inicial focou principalmente a biologia da conservação de espécies ameaçadas de vertebrados. Subsequentemente expandi este trabalho para abordar temas mais gerais de conservação da biodiversidade em relação com fatores ambientais e socioeconómicos, especialmente em sistemas agrícolas, florestais e fluviais. Coordenei ou participei em cerca de 20 projetos de investigação nacionais e internacionais, envolvendo trabalho em Portugal, Brazil, Angola, Cabo Verde, e Guiné Bissau. Recentemente ganhei como investigador principal uma projecto H2020, financiado com cerca de 2.5 milhões de euros pela Comissão Europeia, para criação e desenvolvimento de um grupo de investigação em metagenómica ambiental no CIBIO. O meu trabalho de investigação conduziu até ao momento à publicação de 74 artigos em revistas científicas internacionais. Assumi ainda a orientação de 15 teses de doutoramento (7 concluídas e 8 em curso), e a responsabilidade por 8 investigadores pó-doutorados.

Interesso-me pela biologia e conservação da águia pesqueira desde meados da década de 80 do século passado, quando participei no processo de criação da então Área de Paisagem Protegida do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina. O estudo da alimentação da águia pesqueira na costa sudoeste, que conduzi em 1986 ainda antes de terminada a licenciatura, sob supervisão do Dr. Luís Palma e o Professor Luís Cancela da Fonseca, foi o meu primeiro trabalho de investigação. Desde aí assisti à extinção da espécie como nidificante em Portugal, e participei nos primeiros esforços para montar um projeto de reintrodução baseado na transferência de juvenis de populações dadoras. O projeto de reintrodução iniciado no Alqueva em 2011, com o apoio da EDP, foi assim o culminar de um longo percurso, que espero venha a dar os seus frutos e permitir o estabelecimento de uma população nidificante em Portugal.”

Pedro Beja – Coordenador Científico

Investigador  Coordenador no CIBIO/INBio- Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos, Universidade do Porto.